Clínica de Oncologia e Hematologia - Niterói

Dias úteis : 8h as 19:30h
  Telefones : (21) 2711-3238 | (21) 2714-5593 | Fax: (21) 2710-7519

Artigos

Cuidados odontológicos em pacientes que serão submetidos ao transplante de medula óssea

O paciente que se submete ao tratamento de medula óssea deverá ser acompanhado por uma equipe multiprofissional e especializada, que poderá oferecer todo o suporte necessário durante todas as fases do seu tratamento oncológico. Nesse contexto, se insere o dentista que poderá contribuir com os cuidados com a saúde bucal.

A baixa do sistema imunológico, que ocorre durante o transplante de medula óssea, deixa o paciente suscetível a infecções que podem comprometer muito o seu estado geral e o próprio tratamento. Outra complicação comum decorrente do transplante de medula óssea é a mucosite oral, que são úlceras extremamente dolorosas que podem causar dificuldade para a alimentação e, quando severas, podem levar à internação e suspensão temporária do tratamento. Durante o tratamento o paciente pode também apresentar diminuição da salivação e perda do paladar.

QUAIS OS CUIDADOS BUCAIS QUE O PACIENTE DEVE TER NO TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA?

1 – FASE PRÉ-TRANSPLANTE

  • Na fase pré-transplante, o paciente deverá ser examinado por um dentista, para a avaliação das suas condições bucais. Nessa fase, o dentista fará, caso necessário, o tratamento de cáries, canal, doença das gengivas, polimento de restaurações, extrações e remoção de aparelhos ortodônticos. Esses tratamentos são fundamentais para evitar algumas complicações bucais durante o transplante de medula. O dentista também orientará o paciente quanto à higiene bucal, que inclui forma adequada de escovação, tipo de escova, creme dental, uso do fio dental e bochechos.
  • A laserterapia é iniciada antes do transplante de medula para a prevenção da mucosite oral.

2 – FASE DO TRANSPLANTE E PÓS-TRANSPLANTE

  • A laserterapia é indicada durante o período de internação para a prevenção e tratamento da mucosite oral.
  • Tratamento do ressecamento bucal ocasionado pela redução de saliva e por infecções orais oportunistas causadas por fungos, vírus ou bactérias.

Vale lembrar que o paciente deve manter as visitas regulares ao dentista para continuar com os cuidados com a saúde bucal.

 

Autoras:

Dra. Glória Barros – Dentista

• Especialista em Cirurgia Buco-maxilo-facial.
• Mestre em Educação em Saúde;

Dra. Liana França Araujo Cerqueira
• Mestre em Patologia Bucal;
• Especialista em Estomatologia;
• MBA em Gestão em Saúde.

 

Leia Mais

Doação de Medula Óssea

A falta de informação e a incerteza sobre o transplante são os maiores obstáculos para a vida de quem está lutando contra a leucemia, por exemplo. Poucas pessoas conhecem com clareza como funciona o procedimento de doação de medula óssea. Não imaginam que uma ação rápida pode ajudar a salvar vidas e que os primeiros passos para ser um doador são simples, fáceis e indolores.

A medula óssea, encontrada no interior dos ossos, contém as células-tronco hematopoéticas que são responsáveis por produzirem os componentes do sangue, entre eles as hemácias ou glóbulos vermelhos, os leucócitos ou glóbulos brancos que são parte do sistema de defesa do nosso organismo, e as plaquetas, que se encarregam da coagulação.

Sendo assim, o transplante de medula é indicado em casos de doenças do sangue como a anemia aplástica grave, outras anemias adquiridas ou congênitas, e na maioria dos tipos de leucemias (câncer de sangue), como a mieloide aguda, mieloide crônica e a linfoide aguda.

O que você precisa saber para ser doador de medula óssea?

1ª Passo: Visão geral

• Ter entre 18 e 55 anos de idade

• Estar em bom estado de saúde

• Não ter doença infecciosa transmissível pelo sangue (como infecção pelo HIV ou hepatite)

• Não apresentar história de doença neoplásica (câncer), hematológica ou autoimune (como lúpus eritematoso sistêmico e artrite reumatoide).

2ª Passo Buscar um hemocentro

Procure um hemocentro mais próximo de sua residência e com foto em mãos, diga que quer ser doador de medula óssea. Lá você irá preencher uma ficha com informações pessoais e assinar um termo de consentimento livre e esclarecido, em seguida será coletado 5 ml de sangue para seu mapeamento genético. Após esse mapeamento as informações levantadas são enviadas para o Registro de Doadores Voluntários de Medula Óssea – Redome, onde serão cruzadas com informações de pacientes que necessitam de transplante.

Caso você seja compatível com algum paciente, basta confirmar sua condição de doador. Vale lembrar, que alguns testes serão feitos para confirmar sua compatibilidade e verificar seu estado de saúde.

3ª Passo A doação

Serão coletadas células-tronco, hematopoéticas, tal procedimento é realizado em centros de transplantes ou hemocentros públicos ou privados de todo o país autorizado pelo Ministério da Saúde. A doação pode ser feita através de dois métodos: por punção no osso da bacia ou através da coleta de sangue por aférese.

Leia Mais

Comece o ano com disposição

Aproveite o início do ano e aposte em atividades prazerosas para incluir na sua rotina. Fazer algo que se gosta por, pelo menos, 1 ao dia é um importante aliado contra o estresse e pode afastar diversas doenças, como o câncer.

Ler um livro, ir à praia ou praticar esportes, por exemplo, são hábitos simples que fazem a diferença para uma vida melhor e mais saudável!

Leia Mais

Dezembro Laranja – Campanha Nacional pelo combate e prevenção ao Câncer de Pele

O câncer de pele é caracterizado pelo crescimento descontrolado de células anormais da pele, causado por mutações ou defeitos genéticos no DNA, na maioria dos casos decorrente da radiação ultravioleta.

O melanoma cutâneo é um tipo de câncer de pele que tem origem nos melanócitos (células produtoras de melanina, substância que determina a cor da pele) e tem predominância em adultos brancos…(Continue Lendo)

Leia Mais

Comemoração – Outubro Rosa

Leia Mais

Café da Manhã do Novembro Azul

Leia Mais

Novembro Azul, mês da conscientização da prevenção do câncer de próstata.

Por aqui, já iniciamos a campanha do novembro azul, que tem como propósito a conscientização a respeito de doenças masculinas, com ênfase na prevenção e no diagnóstico precoce do câncer de próstata. Neste vídeo, o Dr. Ricardo Campos Salgado, diretor técnico da Oncologia Clínica Niterói, fala um pouquinho da campanha e manda um recado importante sobre a prevenção e fatores de risco desta doença. Vale a pena conferir!

 

Leia Mais

Novembro Azul

O que é a próstata?

É uma glândula do sistema reprodutor masculino, que pesa cerca de 20 gramas, e se assemelha a uma castanha. Ela localiza-se abaixo da bexiga e sua principal função, juntamente com as vesículas seminais, é produzir o esperma.

O que é o câncer de próstata?

No Brasil, é o segundo tipo de câncer mais frequente em homens, após os tumores de pele. A doença pode demorar a se manifestar, exigindo exames constantes para não ser  descoberta em estágio avançado e potencialmente fatal. Acontece quando as células deste órgão começaram a se multiplicar de forma desordenada.

 Sintomas

Na fase inicial, o câncer de próstata não apresenta sintomas e quando alguns sinais começam a aparecer, cerca de 95% dos tumores já estão em fase avançada, dificultando a cura.

OS PRINCIPAIS SINTOMAS NA FASE AVANÇADA SÃO:
• Dor óssea
• Dores ao urinar
• Vontade de urinar com frequência
• Presença de sangue na urina e/ou no sêmen

ATENÇÃO!

A ausência de sintomas não garante que não há problemas. Por isso, converse com seu urologista e cuide da sua saúde!

FATORES DE RISCO

• Histórico familiar de câncer de próstata: pai, irmão e tio
• Raça: homens negros sofrem maior incidência deste tipo de câncer
• Obesidade

 DIAGNÓSTICO PRECOCE

A única forma de garantir a cura do câncer de próstata é o diagnóstico precoce. Mesmo na ausência de sintomas, homens a partir dos 45 anos com fatores e risco, ou 50 anos sem estes fatores, devem ir ao urologista para conversar sobre o exame de toque retal, que permite ao médico avaliar alterações da glândula, como endurecimento e presença de nódulos suspeitos, e sobre o exame de sangue PSA (antígeno prostático específico). Cerca de 20% dos pacientes com câncer de próstata são diagnosticados somente pela alteração no toque retal.

OUTROS EXAMES PODERÃO SER SOLICITADOS SE HOUVER SUSPEITA DE CÂNCER DE PRÓSTATA, COMO AS BIÓPSIAS, QUE RETIRAM FRAGMENTOS DA PRÓSTATA PARA ANÁLISE, GUIADAS PELO ULTRASSOM TRANSRETAL.

TRATAMENTOS

O tipo de tratamento vai depender do estágio da doença em cada paciente.

Doença Localizada (confinada à próstata)
• Vigilância ativa: acompanhamento clínico da doença. Utilizada quando o tumor tem características pouco agressivas
• Cirurgia radical: aberta, laparoscópica e robótica
• Radioterapia

Doença Localmente Avançada (somente ultrapassa os limites da próstata)
• Cirurgia radical acompanhada ou não de hormônio
• Radioterapia

Doença Avançada(presente em outros órgãos, como ossos, gânglios e pulmões)
• Tratamento clínico com hormonioterapia, quimioterapia e novas drogas orais, que melhoram a qualidade de vida e aumentam a sobrevida.

Desta maneira, em todas as fases da evolução do câncer de próstata existe um tratamento adequado.

 

Fonte: http://portaldaurologia.org.br

Leia Mais

Eu venci

Bom, meu nome é Jorge Eduardo, tenho 24 anos, estou no 9° período do curso de direito da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), campus Seropédica. Minha história com a Oncologia Clínica Niterói começou em 2016. Estava com 22 anos, no 5° período da graduação, quando soube da notícia que tinha sido diagnosticado com um tumor no testículo direito. Em abril fui submetido a uma cirurgia para a retirada do testículo, sendo posteriormente levado a análise para saber se era maligno ou benigno, dando como resultado a primeira opção.

A clínica foi indicada a mim e a minha família por uma mãe de um amigo de escola que também realizou um tratamento contra câncer, e pelo médico que me operou. Confesso que quando cheguei na clínica e passei por uma entrevista longa e detalhada com meu médico, o Dr. Ricardo Salgado, a ficha caiu para mim de fato. Fiquei um pouco assutado, era jovem, sendo que na clínica a maioria dos pacientes, eram idosos. Tinha vergonha das pessoas saberem da minha situação, fato que escondi por muito tempo, por medo de ser estigmatizado.

Hoje tenho orgulho e não tenho medo de contar a todos pelo o que passei. Voltando a parte do tratamento, meu ciclo era puxado, 1 semana inteira e depois outras duas segundas-feiras com longas sessões. Durante a quimioterapia, parte da minha família queria que eu desse uma trancada na minha graduação e saísse do estágio na Defensoria Pública. Minha força de vontade em ser como outra pessoa normal, que apenas estava tratando uma “doença comum”, falaram alto e para minha surpresa, o apoio do meu médico também veio a campo. Após 3 meses de luta, sessões de longas e cansativas, veias que iam desaparecendo e complicando serem encontradas pelas enfermeiras e técnico de enfermagem, a última agulhada teve fim no dia 10 de outubro (se não me falhe a memória). Passar por um câncer não é moleza, confesso que não queria ter passado, mas reconheço que me mudou bastante, amadureci como nunca, e agradeço a Deus, minha mãe e irmã, familiares e namorada, pelo apoio e amor incondicional durante o período que mais precisei.

Nem tudo foi ruim, mesmo com isso tudo, levei minha graduação normalmente, sem ser reprovado em nenhuma disciplina e agora sendo coroado com a aprovação no XXV Exame de Ordem da OAB, ainda na graduação, feito que poucos conseguem. Quero agradecer incondicionalmente a todos os trabalhadores da clínica, da parte médica, enfermagem, farmacêutica até a galera da recepção e limpeza, sem a ajuda de vocês eu não sei aonde estaria. Hoje posso gritar forte e bem alto que venci, muito obrigado a todos!.

Leia Mais