Clínica de Oncologia e Hematologia - Niterói

Dias úteis : 8h as 19:30h
  Telefones : (21) 2711-3238 | (21) 2714-5593 | Fax: (21) 2710-7519

Pintas/sinais, Nevo displásico e risco de Melanoma

Common Moles, Dysplastic Nevi, and Risk of Melanoma”

foi originalmente publicado pelo National Cancer Institute”.

Fonte: National Cancer Institute.

Versão original em: https://www.cancer.gov/types/skin/moles-fact-sheet

“O Instituto Nacional do Câncer (NCI) não endossa esta tradução e nenhum endosso pelo NCI deve ser inferido.”

Pintas/sinais, Nevo displásico e risco de Melanoma

 

O que é uma pinta/sinal comum?

Uma pinta ou sinal é um crescimento na pele que se desenvolve quando células produtoras de pigmentos (melanócitos) crescem aglomeradas. A maioria dos adultos tem entre 10 e 40 desses sinais. São geralmente encontrados acima da cintura em áreas expostas ao sol, e, raramente encontrados no couro cabeludo, seios ou nádegas.

Embora os sinais possam estar presentes no nascimento, eles geralmente aparecem mais tarde na infância. A maioria das pessoas continua desenvolvendo novos sinais até cerca dos 40 anos. Nos idosos, tendem a desaparecer.

Como é uma pinta/sinal comum?

Um sinal comum geralmente é menor que cerca de 5 milímetros de largura (cerca de 1/4 de polegada, a largura de uma borracha de lápis). É redondo ou oval, tem uma superfície lisa com uma borda distinta e é muitas vezes em forma de cúpula. Geralmente tem uma cor uniforme de rosa, bege ou marrom. As pessoas que têm pele ou cabelos escuros tendem a ter manchas mais escuras do que pessoas com pele clara ou cabelos louros. Várias fotos de manchas comuns são mostradas aqui, e mais fotos estão disponíveis em O que um sinal parece? Página

                                   

 .               1mm                                                          2mm                                                                        3mm

Pode um sinal ou pinta comum se transformar em melanoma?

Sim, mas uma pinta comum raramente se transforma em melanoma, que é o tipo mais grave de câncer de pele.

Embora as pintas, manchas e sinais comuns não sejam cancerígenas, geralmente que têm mais de 50 têm uma chance maior de desenvolver melanoma ( 1 ).

É importante informar ao seu médico se notar qualquer uma das seguintes alterações em um sinal comum ( 2 ):

  • Mudança na cor
  • Tamanho irregular menor ou maior (ao contrário de sinais normais em crianças, que ficam ainda maiores)
  • Mudança na forma, textura ou altura
  • Superfície da pele seca ou escamosa
  • O sinal fica duro ou parece irregular
  • Coceira no local
  • Sangramento

O que é um nevo displásico?

Um nevo displásico é um tipo de sinal que parece diferente de um sinal comum. (Alguns médicos usam o termo “pinta atípica” para se referir a um nevo displásico). Um nevo displásico pode ser maior que um sinal comum, e sua cor, superfície e borda podem ser diferentes. Geralmente tem mais de 5 milímetros de largura ( 1 , 3 ). Um nevo displásico pode ter uma mistura de várias cores, do rosa ao marrom escuro. Geralmente, é plana com uma superfície lisa, ligeiramente escamosa ou pedregosa, e tem uma borda irregular que pode desbotar na pele ao redor. Alguns exemplos de nevos displásicos são mostrados aqui. Mais exemplos são o que faz um sinal? página.

                             

Com área elevada no centro                              mais de 5mm                                          mais de 10mm

Um nevo displásico pode ocorrer em qualquer parte do corpo, mas geralmente é visto em áreas expostas ao sol, como nas costas. Também pode aparecer em áreas não expostas ao sol, como couro cabeludo, mamas e áreas abaixo da cintura ( 1 , 3 ). Algumas pessoas têm apenas alguns nevos displásicos, mas outras pessoas têm mais de 10. Geralmente  pessoas que têm nevos displásicos também apresentam um número aumentado de sinais comuns.

Um nevo displásico pode se transformar em melanoma?

Sim, mas a maioria deles não se transforma em melanoma ( 1 , 3 ). A maioria permanece estável ao longo do tempo. Pesquisadores estimam que a chance de melanoma é cerca de dez vezes maior para alguém com mais de cinco nevos displásicos do que para quem não tem, e quanto mais nevos displásicos a pessoa tiver, maior a chance de desenvolver melanoma ( 1 , 3 ).

O que as pessoas devem fazer se tiverem um nevo displásico?

Todos devem proteger sua pele do sol e ficar longe de lâmpadas solares e cabines de bronzeamento, mas para pessoas que têm nevos displásicos, é ainda mais importante proteger a pele e evitar bronzeamento ou queimaduras solares.

Além disso, muitos médicos recomendam que pessoas com nevos displásicos verifiquem sua pele uma vez por mês ( 2 , 4 ). As pessoas devem informar o seu médico se virem alguma das seguintes alterações num nevo displásico ( 2 ):

  • A cor muda
  • Fica menor ou maior
  • Muda de forma, textura ou altura
  • A pele na superfície fica seca ou escamosa
  • Torna-se difícil ou parece irregular
  • Começa a coçar
  • Sangra ou escorre

Diante das alterações, é importante procurar um medico, ele irá examinar sua pele e em alguns casos irá fotografar o nevos displásicos para acompanhar as mudanças ao longo do tempo. Para pessoas com muitos (mais de cinco) nevos displásicos, os médicos podem realizar um exame de pele uma ou duas vezes por ano, devido à maior chance de melanoma. Para as pessoas que também têm história familiar de melanoma, os médicos podem sugerir um exame cutâneo mais frequente, como a cada 3 a 6 meses ( 3 ).

Devo procurar um médico para remover um nevo displásico ou um sinal comum para evitar que ele se transforme em melanoma?

Não. Normalmente,não é  preciso ter um nevo displásico ou um sinal comum removido. Uma razão é que muito poucos nevos displásicos ou sinais comuns se transformam em melanoma ( 1 , 3 ). Outra razão é que mesmo a remoção de todas as pintas ou sinais na pele não impediria o desenvolvimento do melanoma, porque o melanoma pode se desenvolver como uma nova área colorida na pele ( 2 ). É por isso que os médicos geralmente removem apenas uma pinta ou sinal que muda ou uma área na pele que apareça com nova pigmentação.

O que é melanoma?

O melanoma é um tipo de câncer de pele que começa nos melanócitos . É potencialmente perigoso porque pode invadir tecidos próximos e se espalhar para outras partes do corpo, como pulmão, fígado, ossos ou cérebro. Quanto mais cedo o melanoma for detectado e removido, maior a probabilidade de o tratamento ser bem sucedido.

A maioria dos melanócitos está na pele e o melanoma pode ocorrer em qualquer superfície da pele. Pode desenvolver-se a partir de uma pinta ou sinal comum ou nevo displásico e também pode desenvolver-se numa área de pele aparentemente normal. Além disso, o melanoma também pode se desenvolver no olho, no trato digestivo e em outras áreas do corpo.

Quando o melanoma se desenvolve nos homens, é frequentemente encontrado na cabeça, pescoço ou costas. Já nas mulheres, é frequentemente encontrado nas costas ou nas pernas.

Pessoas com pele escura são muito menos propensas a desenvolver melanoma do que as que tem pele clara. Quando se desenvolve em pessoas com pele escura, é freqüentemente encontrado sob as unhas das mãos e pés, nas palmas das mãos ou nas solas dos pés.

Como é o melanoma?

Muitas vezes, o primeiro sinal de melanoma é uma alteração na forma, cor, tamanho ou sensação de uma pinta, sinal ou mancha existente. O melanoma também pode aparecer como uma nova pigmentação na pele.

A regra “ABCDE” descreve as características do melanoma precoce ( 2 , 5 ):

  • Assimetria. As formas de uma metade sobreposta sobre a outra não coincidem
  • Borda irregular. As bordas são geralmente irregulares. O pigmento pode se espalhar para a pele ao redor.
  • Cor que é desigual. Tons de preto, marrom podem estar presentes. Também podem ser vistas áreas de branco, cinza, vermelho, rosa ou azul
  • Diâmetro. Há uma mudança no tamanho, geralmente um aumento. Os melanomas podem ser pequenos, mas a maioria tem mais de 6 milímetros de largura (cerca de 1/4 de polegada de largura).
  • Evoluindo. A pinta, mancha ou sinal mudou nas últimas semanas ou meses.

Melanoma assimétrico com borda irregular diferente. Tem mais de 20mm de largura. Quase o tamanho de um selo postal

Melanoma azul-preto com bordas irregulares e recortadas com 12mm. Surgiu de um nevo displásico (região rosa acobreado na canto superior esquerdo

Nevo displásico com protuberância negra não existente há 18 meses. O caroço preto é melanoma de 3 mm

Melanoma com 3 partes: uma marrom-escura, uma protuberância vermelha e uma área mais clara que a superior

 

Os melanomas podem variar muito em sua aparência. Muitos mostram todos os recursos do ABCDE. No entanto, alguns podem mostrar apenas um ou dois dos recursos da regra ( 5 ). Várias fotos de melanomas são mostradas aqui. Mais fotos são sobre o que Melanoma parece? página.

No melanoma avançado, a textura do sinal pode mudar. A pele na superfície pode quebrar e parecer raspada. Pode ficar difícil ou irregular. A superfície pode escorrer ou sangrar. Às vezes, causa dor ou torna-se doloroso.

Como o melanoma é diagnosticado?

A única maneira de diagnosticar o melanoma é remover o tecido para ser feita a biópsia. O médico irá remover toda ou parte da pele que parece anormal. Normalmente, esse procedimento leva apenas alguns minutos e pode ser feito em um consultório médico, clínica ou hospital.

Quais são as diferenças entre uma pinta/sinal comum, um nevo displásico e um melanoma?

Sinais comuns, nevos displásicos e melanoma variam em tamanho, cor, forma e textura da superfície. A lista abaixo resume algumas diferenças entre sinais e câncer. Outra diferença importante é que um nevo displásico ou sinal comum não retornará após sua remoção por uma biópsia excisional completa da pele, mas o melanoma às vezes volta a crescer. Além disso, o melanoma pode se espalhar para outras partes do corpo.

Sinais Comum (Nevo)

  • Isso é câncer? Não. As pintas/sinais comuns raramente se tornam câncer.
  • Quantas pessoas têm manchas comuns? A maioria dos americanos – cerca de 327 milhões de pessoas – têm manchas comuns.
  • Qual tamanho deles? Geralmente com menos de 5 milímetros de largura, ou cerca de 1/4 de polegada (não tão grande quanto uma nova borracha de lápis).
  • Quais são as cores? Pode ser rosa, bege, marrom, preto (em pessoas com pele escura) ou uma cor muito próxima do tom de pele normal de uma pessoa. A cor é geralmente uniforme por toda parte.
  • Que forma são eles? Geralmente redondo ou oval. Uma mancha comum tem uma borda distinta que a separa do resto da pele.
  • Qual é a textura da superfície? Começa como uma mancha lisa e lisa na pele. Pode ficar um pouquinho expressiva, porém lisa.

Nevo displásico

  • Isso é câncer? Não. Um nevo displásico é mais provável do que uma msancha comum para se tornar câncer, mas a maioria não se torna câncer.
  • Quantas pessoas têm nevos displásicos? Cerca de 1 em cada 10 americanos – cerca de 33 milhões de pessoas – têm pelo menos um nevo displásico ( 34 , 6 – 8 ).
  • Qual tamanho deles? Frequentemente mais largo que 5 milímetros (mais largo que uma nova borracha de lápis).
  • Quais são as cores? Pode ser uma mistura de tons bronzeados, castanhos e vermelhos ou rosa.
  • Que forma são eles? Tem bordas irregulares. Pode desaparecer no resto da pele.
  • Qual é a textura da superfície? Pode ter uma aparência suave, ligeiramente escamosa ou áspera, irregular e dura.

 Melanoma

  • Isso é câncer? 
  • Quantas pessoas têm melanoma? O melanoma é muito menos comum do que outros tipos de câncer de pele. Mas a cada ano, cerca de 2 em 10.000 americanos desenvolvem melanoma ( 9). Em 2018, estima-se que 91.270 novos casos de melanoma serão diagnosticados nos Estados Unidos ( 10 ). Em janeiro de 2015, mais de 1,2 milhão de pessoas nos Estados Unidos viviam com melanoma da pele ( 9 ).
  • Qual tamanho deles? Geralmente maior que 6 milímetros (mais largo que uma nova borracha de lápis).
  • Quais são as cores? Geralmente de cor irregular. Pode ter tons de preto, marrom e castanho. Também pode ter áreas de branco, cinza, vermelho, rosa ou azul.
  • Que forma eles têm? Frequentemente irregular e assimétrico (a forma de uma metade não corresponde à outra metade). As bordas podem estar borradas. Pode desaparecer no resto da pele.
  • Qual é a textura da superfície? Pode quebrar e parecer raspado, tornar-se duro ou irregular, causar coceira e sangramento.

O que as pessoas devem fazer se uma mancha mudar ou encontrar uma nova mancha ou alguma outra mudança em sua pele?

As pessoas devem informar o médico se encontrarem uma nova mancha ou uma alteração em uma pinta/sinal existente. Um médico encaminhar o paciente para um dermatologista. Um dermatologista é um médico especializado em doenças da pele. Além disso, alguns cirurgiões plásticos, cirurgiões gerais, internistas, especialistas em câncer e médicos de família têm treinamento especial em sinais e melanoma.

Quais fatores aumentam a chance de melanoma?

Embora qualquer pessoa possa desenvolver melanoma, as pessoas com os seguintes fatores de risco têm maior chance ( 1 ):

  • Ter um nevo displásico
  • Tendo mais de 50 sinais comuns
  • Luz solar: a luz solar é uma fonte de radiação UV, que causa danos à pele que podem levar ao melanoma e a outros tipos de câncer de pele.
    • Queimaduras graves e devastadoras: As pessoas que tiveram pelo menos uma queimadura grave e intensa têm uma chance maior de melanoma. Embora as pessoas que se queimam com facilidade tenham maior probabilidade de ter queimaduras solares quando crianças, as queimaduras solares durante a vida adulta também aumentam a chance de melanoma.
    • Exposição solar ao longo da vida: quanto maior a quantidade total de exposição solar ao longo da vida, maior a chance de melanoma.
    • Bronzeamento artificial: Embora ter a pele bronzeada diminua bem o risco de queimaduras solares, mesmo as pessoas que se bronzeiam bem sem queimaduras solares aumentam sua chance de melanoma ao passar o tempo ao sol sem proteção.

A luz solar pode ser refletida pela areia, água, neve, gelo e pavimento. Os raios do sol podem atravessar nuvens, pára-brisas, janelas e roupas leves.

Nos Estados Unidos, o câncer de pele é mais comum onde o sol é forte. Por exemplo, uma proporção maior de pessoas no Texas do que em Minnesota tem câncer de pele. Além disso, o sol é forte em altitudes mais elevadas, como nas montanhas.

  • Lâmpadas e cabines de bronzeamento: A radiação UV de fontes artificiais, como lâmpadas e cabines de bronzeamento, pode causar danos à pele e melanoma. Os prestadores de cuidados de saúde encorajam fortemente as pessoas, especialmente os jovens, a evitar o uso de lâmpadas solares e cabines de bronzeamento. O risco de câncer de pele é bastante aumentado pelo uso de lâmpadas solares e cabines de bronzeamento antes dos 30 anos.
  • História pessoal: Pessoas que tiveram melanoma têm um risco aumentado de desenvolver outros melanomas.
  • Família historia: Melanoma às vezes ocorre em famílias. As pessoas que têm dois ou mais parentes próximos (mãe, pai, irmã, irmão ou filho) com melanoma têm uma chance maior de melanoma. Em casos raros, os membros de uma família terão um distúrbio hereditário, como o xeroderma pigmentoso, que torna a pele extremamente sensível ao sol e aumenta enormemente a chance de melanoma.
  • Pele que queima facilmente: As pessoas que têm pele clara (pálida) que queima facilmente no sol, olhos azuis ou cinzentos, cabelo vermelho ou loiro ou muitas sardas têm uma chance maior de melanoma.
  • Certas condições médicas ou medicamentos: Condições médicas ou medicamentos (como alguns antibióticos, hormônios ou antidepressivos) que tornam a pele mais sensível ao sol ou que suprimem o sistema imunológico aumentam a chance de melanoma.

Como as pessoas podem proteger sua pele do sol?

As pessoas podem proteger sua pele do sol seguindo as dicas na página do fator de risco do Sunlight da NCI . A melhor maneira de prevenir o melanoma é limitar a exposição à luz solar. Ter um bronzeado ou queimadura solar significa que a pele foi danificada pelo sol, e o bronzeamento continuado ou a queima aumentam a chance de desenvolver melanoma.

Referências Selecionadas
  1. Tucker MA. Epidemiologia do melanoma. Clínicas de Hematologia / Oncologia da América do Norte2009; 23 (3): 383-395.

[Resumo do PubMed]

 

  1. Goodson AG, Grossman D. Estratégias para detecção precoce de melanoma: abordagens ao paciente com nevos. Jornal da Academia Americana de Dermatologia2009; 60 (5): 719-738.

[Resumo do PubMed]

 

  1. Friedman RJ, Farber MJ, Warycha MA, et al. O nevo “displásico”. Clinics in Dermatology2009; 27 (1): 103–115.

[Resumo do PubMed]

 

  1. Cyr PR. Toupeiras atípicas. American Family Physician2008; 78 (6): 735-740.

[Resumo do PubMed]

 

  1. Rigel DS, Russak J, Friedman R. A evolução do diagnóstico de melanoma: 25 anos além dos ABCD. CA: Um Jornal de Câncer para Clínicos2010; 60 (5): 301-316.

[Resumo do PubMed]

 

  1. Tucker MA, Halpern A, Holly EA, et al. Nevos displásicos clinicamente reconhecidos: um fator de risco central para o melanoma cutâneo. JAMA1997; 277 (18): 1439-1444.

[Resumo do PubMed]

 

  1. Titus-Ernstoff L, J Ding, Perry AE, et al. Fatores associados a sinais atípicos em New Hampshire, EUA. Acta Dermato Venereologica2007; 87 (1): 43-48.

[Resumo do PubMed]

 

  1. Goldstein AM, Tucker MA. Nevos displásicos e melanoma. Epidemiologia do Câncer, Biomarcadores e Prevenção2013; 22 (4): 528-532.

[Resumo do PubMed]

 

  1. Noone AM, Howlader N, Krapcho M. et al. (eds) SEER Cancer Statistics Review, 1975-2015, Instituto Nacional do Câncer. Bethesda, MD,https://seer.cancer.gov/csr/1975_2015/, com base na submissão de dados do SEER de novembro de 2017, postada no site do SEER, abril de 2018.

 

  1. Siegel RL, Miller KD, Jemal A. Estatísticas do câncer, 2018. CA: Um Jornal de Câncer para Clínicos2018; 68 (1): 7-30.

[Resumo do PubMed]