Clínica de Oncologia e Hematologia - Niterói

Dias úteis : 8h as 19:30h
  Telefones : (21) 2711-3238 | (21) 2714-5593 | Fax: (21) 2710-7519

Exercício físico e câncer

Pedro Luiz Salvador Witrzbiki – 14/11/20

O câncer se caracteriza por ser um conjunto de doenças que têm um crescimento descontrolado e disseminado por células anormais (tumores) no organismo, que podem ser desenvolvidos de diversas maneiras e as principais são: histórico familiar, sedentarismo, excesso de peso, tabagismo, alimentação, álcool e idade.

Sendo assim, a incorporação de hábitos saudáveis como a realização de atividades físicas de forma regular,alimentação balanceada e baixo consumo de álcool e tabaco são fundamentais para prevenção e tratamento do câncer. Pessoas sedentárias e/ou com excesso de peso possuem um organismo pró inflamatório, o que favorece para o surgimento e para a proliferação de células cancerígenas, através da desregulação das atividades hormonais e enzimática e da diminuição na função imunológica, deixando o corpo mais suscetível a qualquer doença.

Como estratégia não farmacológica para prevenção, tratamento e pós tratamento de câncer, estudos vêm mostrando a importância da realização da atividade física pois esta prática promove diversos benefícios para o organismo, tais como:

  • aumentoda síntese proteica
  • aumento do volume e da força muscular
  • aumento da resistência à fadiga
  • aumento da capacidade aeróbia
  • aumento da função imune do organismo
  • diminuição da inflação crônica
  • melhora da composição corporal
  • melhora dos aspectos psicossociais
  • melhora dos biomarcadores (pressão arterial, frequência cardíaca, concentração de hemoglobina, níveis circulantes de hormônios e parâmetros imunológicos).

Assim o paciente que tem uma prática de exercício físico regular  tem uma melhora da capacidade funcional a médio e longo prazo, que o permite ficar cada vez menos tempo parado e mais tempo ativo, apresenta  melhora do sistema imune, a partir de um aumento na atividade das células NK (NATURAL KILLERS) pós exercício, que possuem função antiviral eantineoplásica.

Durante o tratamento a atividade e o exercício físico são extremamente importantes, uma vez que, os fármacos podem levar a uma série de efeitos colaterais e  de alterações, que diminuem síntese proteica, volume mitocondrial, tamanho das fibras musculares e uma menor atividade elétrica muscular, resultando em uma menor capacidade muscular e assim funcional e uma menor capacidade regenerativa por ter uma diminuição nas ações enzimáticas e  diminuição na capacidade de transporte de oxigênio. Dessa forma a atividade física durante esse período deve:

  • Atenuar os efeitos colaterais e toxidade do tratamento
  • Manutenção das funções musculares
  • Manutenção e melhora da capacidade funcional
  • Diminuição da fadiga
  • Facilitar a conclusão do tratamento – potencializando o efeito do fármaco.

  Nessa fase, intensidade e volume dos exercícios devem ser diminuídos a fim de se evitar imunossupressão(diminuição da capacidade imunológica). Deve-se evitar treinos mais longos do que 40 minutos e ter, pelo menos, 48 horas entre um treino e outro

Estudos têm mostrado que o exercício físico pode reduzir a probabilidade para o aparecimento de qualquer doença e, quando o assunto é câncer, o percentual de redução chega à 30%. Em relação às pessoas que apresentam a doença, é visto um menor risco de mortalidade específica por câncer (variando de 26–69%) para os pacientes mais ativos em relação aos menos ativos pós diagnóstico. Da mesma forma, foi encontrado para câncer de mama, câncer colorretal e câncer de próstata, um risco de mortalidade entre21–45% menor para pacientes que realizavam atividades físicas pós diagnóstico.

É importante salientar que os efeitos positivos do exercício podem variar significativamente em função do tipo de câncer,da intensidade, frequência e duração do programa de exercícios e do estilo de vida do paciente


ALMEIDA, E. Exercício em Pacientes Oncológicos: Reabilitação. 2012

DE CASTRO FILHA, J. G. L. et al. Influências do exercício físico na qualidade de vida em dois grupos de pacientes com câncer de mama. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, v. 38, n. 2, p. 107–114, 1 abr. 2016.

NASCIMENTO, E. Câncer: benefícios do treinamento de força e aeróbio.

PATEL, A. V. et al. American College of Sports Medicine Roundtable Report on Physical Activity, Sedentary Behavior, and Cancer Prevention and Control. Medicine and science in sports and exercise, v. 51, n. 11, p. 2391–2402, nov. 2019.